quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Mão misteriosa aparece em foto antiga de funcionárias de fábrica


Mais de cem anos depois, uma foto que mostra um grupo de trabalhadoras de uma fábrica em Belfast, na Irlanda do Norte, ganhou atenção por um detalhe curioso: uma mão "perdida" que aparece sobre o ombro de uma das mulheres.


Tirada em 1900, a imagem mostra 15 mulheres que trabalhavam em uma fábrica de linho da cidade à epoca. Por uma exceção, todas elas aparecem de braços cruzados. No entanto, sobre o ombro da moça à direita na segunda fileira - de baixo para cima - uma mão aleatória está apoiada.
O detalhe, assustador para alguns, foi apontado por uma leitora do site "Belfast Live", que recentemente incluiu a foto em uma galeria sobre antigos trabalhadores da cidade.
A leitora, identificada como Lynda, afirmou que já havia observado aquela mão antes, já que a família dela tinha a foto por uma coincidência: a avó dela era das funcionárias retratadas. 
"Meu pai tinha foto em casa... uma foto de fantasma na família", explica ela, acrescentando não acreditar em aparições mesmo apesar de alguns acontecimentos estranhos em relação àquele retrato - que faz parte do arquivo do museu UIG.
Após a descoberta do detalhe, o jornal está tentando entender o que pode ter gerado aquela mão "extra": se um truque/erro de iluminação ou até mesmo algum detalhe na roupa da moça. No entanto, até agora não há explicação para o fenômeno.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Histórias Reais horripilantes de manicômios

Os manicômios eram hospitais destinados a manter insoladas pessoas com transtornos mentais. A forma de tratamento dada aos pacientes é uma grande mancha na história, pois eram empregadas técnicas cruéis e desumanas que beiravam o abandono.
Eram utilizados tratamentos controversos e ineficazes, o que, na maioria das vezes, agravava a situação . São histórias assustadoras de desrespeito ao ser humano.
historias-reais-horripilantes-manicomios

Infelizmente, a realidade dos manicômios era quase a mesma em qualquer parte do mundo.
Separamos três casos que se destacam, confira:

BETHLEM ROYAL HOSPITAL – INGLATERRA

bethlem-royal-hospital

Além de ser o protagonista das histórias mais horripilante, o Bethlem carrega também a marca de ser o hospital mais antigo em funcionamento. Opera desde o século XIII, na cidade de Londres.
Suas práticas eram brutais: espancamentos, confinamento, banhos gelados e negação de comida eram as mais utilizadas. Os pacientes viviam na sujeira, entre dejetos e fezes, segundo relatos até para a época era considerado nojento.
O incurável método da “terapia de rotação” consistia em prender o paciente em uma cadeira suspensa no teto e realizar fortes movimentos circulares a fim de deixá-lo com inconsciente.
Os lunáticos, como eram chamados os internos, eram exibidos ao público dentro de uma jaula e mediante cobrança de ingresso. A maioria dos pacientes não resistiam ao “tratamento”, nem os corpos aos familiares interessavam.


HOSPITAL COLÔNIA DE BARBACENA – BRASIL

hospital-colonia-barbacena

Inaugurado em 1907, na cidade mineira de Barbacena, mais 60.000 pessoas perderam suas vidas nesse manicômio. Entretanto, eles não morreram de transtorno mental, mas de fome, frio, tortura, pneumonia e doenças decorrentes do descaso sanitário e humano.
As pessoas eram largadas no chão, quase sem roupas, ao lado de dejetos humanos e ratos. O esgoto que percorria o hospital era a forma como os pacientes conseguiam água.
Projetado para 200 pessoas, em 1961, o hospício chegou a ter 5 mil pacientes, dentre esses também haviam crianças. A superlotação obrigava os pacientes a dormirem ao relento no capim.
Cerca de 70% dos internados não tinham sequer algum problema mental, entretanto acabavam desenvolvendo lá dentro. Durante o período militar, muitas das pessoas discriminadas eram enviadas ao hospital, como mendigos e homossexuais.
Tratamento com choques elétricos eram aplicados mais como forma de castigo do que com alguma intenção de cura e quanto mais os internos se rebelavam, maior era a punição.
O caso Colônia foi retratado em livro pela jornalista Daniela Arbex. Devido ao genocídio e as praticas de crueldades semelhantes aos campos de concentração nazista, a obra foi intitulada de Holocausto Brasileiro. Até hoje, ninguém foi responsabilizado pelas atrocidades cometidas no hospital em Barbacena.

WILLOWBROOK STATE SCHOOL – ESTADOS UNIDOS

willowbrook-state-school

Apesar de não possuir dominação de manicômio, o seu uso foi o mesmo. Inaugurada no final da década de 40 no bairro de Willowbrook, Nova Iorque, era uma instituição estadual voltada para crianças e jovens adultos que tinham déficit de inteligência.
Apesar de ter sido idealizado para 4.000 pacientes, nos anos 60, havia 2 mil pessoas internadas além da capacidade. Sendo, na época, a maior instituição americana para tratar transtornos mentais.
As crianças eram recebidas com descaso, estavam muitas vezes sem roupa, eram vítimas de espancamentos e há relatos de que sofriam abusos dos cuidadores. O ambiente carecia de higiene.
Além disso, as crianças foram usadas como cobaias em estudos sobre a hepatite. Em torno de 800 pacientes receberam propositalmente o vírus da hepatite B afim de que fosse analisado o desenvolvimento da doença. Os médicos forçaram os pais a darem autorização para o procedimento sob a alegação de que eles iriam contrair a hepatite de qualquer forma, o que não era verdade.
O médico coordenador do projeto desenvolveu uma vacina e recebeu prêmios científicos. Entretanto, a sua conduta é fortemente questionada por desrespeitar os direitos humanos.
Sob a alegação de maus tratos e com a pressão da mídia (inúmeras matérias jornalísticas e até um documentário foram realizados no local), a instituição foi fechada em 1987. Entretanto, muitas crianças foram abandonadas pelas suas famílias e esquecidas pelo estado.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Resenha: Ed e Lorraine Warren Demonologistas



Resultado de imagem para Ed e Lorraine Warren Demonologistas

A muito tempo já sabia da sabedoria deste admirável casal de demonologistas. Conhecia alguns casos famosos que eles investigaram documentaram, como: O Horror em Harrisville, Terror em Amityville, Annabelle, Poltergeist de Elfield.



Resultado de imagem para Ed e Lorraine Warren DemonologistasMas lendo esta maravilhosa obra, pude conhecer outros casos, e não e só isso, Ed e Lorraine abriram seus arquivos sobrenaturais e falaram sobre suas experiências vividas no estudo de mais de 10.000 casos envolvendo possessões, tormentos, horrores, mortes. Neste verdadeiro tesouro da literatura jornalistica e documental, em 15 capítulos e 268 páginas, Ed e Lorraine detalham maravilhosamente os três estágio de tormento que uma pessoa ou casa sofre estando na mira de maus espíritos, são eles: Infestação, Opressão e possessão.
No decorrer de sua vida e suas experiências, os warren documentaram inúmeros casos, e neste livro eles nos mostram fotos reais de atividade paranormal em ação, além de conteúdos de gravações de áudio, onde eles conseguiram obter voz de espíritos, fantasmas e até demônios. Este livro é sem dúvida, um dos maiores instrumentos de estudos para quem gosta de demonologia. 
Recomendo a todos.


Informações bibliográficas 

Diretor Editorial: Cristiano Menezes
Diretor Comercial: Chico de Assis
Editor: Bruno Dorigatti
Editor Assistente: Ulisses Teixeira
Capa e Projeto gráfico: Retina 78
Designers Assistentes: Pauline Qui, Raquel Soares
Revisão: Gustavo de Azambuja Feix, Retina Conteúdo
Impressão e acabamento: Ipsis Gráfica
Tradução: Giovanna Louise Libralon

[2016] Todos os Direitos desta edição revervados à DarkSide Entretenimento LTDA.
www.darksidebooks.com




Murilo Antunes
Editor - Executivo

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Mistério e Horror em Amityville

Quando se fala em casas mal-assombradas, Amityville vem logo à mente. Em 1965, a família DeFeo comprou uma casa no bairro de Amityville, ao sul de Long Island, em Nova York, onde o casal e os cinco filhos foram morar.


amityville

O filho mais velho, Ronald DeFoe Jr. possuía problemas com drogas e se metia em brigas constantemente.
Em 13 de novembro de 1974, Ronald surtou e matou todos os membros de sua família com uma carabina. Inicialmente, ele colocou culpa na máfia pelos assassinatos, mas não demorou a assumir a autoria dos crimes.
Ronald foi preso e julgado a 100 anos de prisão, cumprindo pena na prisão de Green Haven, em Nova Iorque.
ronald-defoe-jr

MASSACRE DA FAMÍLIA DEFEO É CHEIO DE MISTÉRIOS

Alguns fatos permanecem sem explicação nos assassinatos da família DeFeo.
Ninguém da família e nem mesmo os vizinhos teriam acordado com os disparos feitos a carabina, que é uma arma extremamente barulhenta. Outro mistério, é que as pessoas da família haviam sido colocadas de bruços antes da morte.
amityville-massacre-familia-defoe
Ronald DeFeo falou em seu depoimento que quando começou a matar sua família, não conseguiu mais parar, pois ouvia vozes que o mandavam fazer aquilo, tendo tudo ocorrido muito rápido.
assassinato-familia-defoe-amityville

CASA FOI VENDIDA APÓS MASSACRE

Um ano após os assassinatos, a casa foi vendida para a família Lutz, que era constituída por um casal e seus três filhos, de 9, 7 e 5 anos. Os novos moradores sabiam o que havia ocorrido na casa, mas diziam não se importar, já que antes de se mudarem, um padre foi abençoar o local.

familia-lutz-amityville

Contudo, não foi como eles esperavam, pois ocorrências estranhas começaram a ser observadas na casa, como janelas e portas que se abriam, barulhos constantes, visões de fantasmas, objetos arremessados e enxames de moscas que surgiam do nada.
O marido, George Lutz, passou a acordar todos os dias às 3h15, que foi o horário em que teria ocorrido o massacre, e a esposa, Kathy Lutz, tinha pesadelos constantes com os mortos.
george-lutz-kathy-lutz

Outro fato curioso, foi que os Lutz descobriram uma sala secreta, que não fazia parte da planta da casa. A sala tinha as paredes pintadas de vermelho. O cachorro da família não chegava perto do local.
Na época, uma das crianças da família chegou a falar sobre um “amigo invisível” que tinha olhos vermelhos. Com isso, os Lutz abandonaram a casa somente 28 dias após terem se mudado, deixando todos os seus pertences para trás.
casa-amityville

CASA FOI OBJETO DE INVESTIGAÇÃO

Ao saber dos fenômenos paranormais que ocorreram em Amityville, diversos paranormais foram investigar o local, entre eles o famoso casal de demonologistas, Ed Warren e Lorraine Warren.

ed-warren-lorraine-warren

A conclusão foi de que a casa era realmente assombrada. Ed Warren morreu em 2006, mas Lorraine Warren até hoje afirma que a casa é realmente mal-assombrada, e que, juntamente com o marido, passou por experiências terríveis no local.
Atualmente, a casa está à venda por cerca de R$ 320 mil reais, um preço bem abaixo de seu valor, mas mesmo assim ninguém quer comprar o imóvel pela fama que ele carrega.

HISTÓRIA INSPIROU LIVROS E FILMES

Em decorrência dos assustadores eventos que ocorriam na casa, o escritor Jay Anson foi chamado pela família Lutz para escrever um livro sobre o assunto. O livro nomeado de “Terror em Amityville” é classificado como uma história baseada em fatos reais.

jay-anson

Rapidamente o livro se transformou em um best-seller, vendendo mais de 3 milhões de cópias. A família Lutz, seguindo o embalo da fama repentina, viajava o país contando histórias da casa.
Em 1979 foi lançado o primeiro filme baseado no livro. Nos anos seguintes, o filme teve mais três sequências. Em 2005, foi lançada uma refilmagem da produção original.
the-amityville-horror-2005

A Macabra igreja dos fantasmas de Luková

Se você for da República Tcheca não deixe de visitar Luková. Este vilarejo fica localizado no interior do país europeu e abriga a Igreja de São Jorge, uma das mais macabras e ao mesmo tempo mais curiosas do mundo.


À primeira vista, a chamada Igreja dos Fantasmas pode assustar os desavisados. Dentro dela estão 35 esculturas ocas, algumas em uma posições diferentes como se fossem pessoas reais presenciando uma missa.


Não há como entrar na capela e não sentir um arrepio na espinha, tamanho o realismo e detalhe das obras. Apesar disso, o cenário é belo e inspira muita paz.


É notório o nível de detalhes empregados nas dobras dos tecidos e na expressão corporal das esculturas vazias. A perfeição é tanta, que chega a ser difícil acreditar que aquele fiel rezando ajoelhado, aquele casal abraçado, ou aquela mãe com um bebê no colo não são 
reais.


As imagens representam os alemães que viviam na região, os quais eram chamados de sudetos, e que morreram durante a Segunda Guerra Mundial.


São como almas penadas, condenadas a uma cerimônia eterna em uma igreja abandonada caindo aos pedaços e rodeada de túmulos. O isolamento do lugar e o completo silêncio tornam a experiência ainda mais sinistra.


A Igreja de São Jorge foi construída em 1352, mas entrou em desuso a partir de 1968, quando parte do telhado desabou sobre as pessoas durante um funeral. Ao longo de sua história, a Igreja dos fantasmas foi incendiada, saqueada, destruída e reformada diversas vezes.



Na tentativa de recuperar o turismo na região e levantar fundo para a reforma da igreja, o artista plástico Jakub Hadrava teve a ideia de criar as esculturas e colocá-las para ocupar os bancos vazios. Trabalhos similares também foram feitos em outras igrejas da região de Luková.
A primeira imagem foi criada dentro da própria igreja, já as demais foram feitas por Jakub e seus colegas na faculdade. O processo de criação consiste em proteger o modelo com uma capa de chuva e acertar sua posição no banco da igreja, que fora tomado emprestado. A finalização é feita com um tecido molhado em gesso.
Curiosamente a República Tcheca é um dos países menos religiosos do mundo. Por esta razão, Jakub buscou uma forma de fazer com que os visitantes se recordassem do tempo em que a fé fazia parte do cotidiano. Para ele, as igrejas estavam vazias, da mesma forma que a mente das pessoas.
Talvez o artista não consiga mudar a mente das pessoas; ainda assim, o projeto “My Mind” criado por ele tem conseguido arrecadar fundos. Parte do telhado da Igreja de São Jorge está em obras de restauração.
Fato é que, a abandonada Igreja dos Fantasmas já faz parte da cultura de Luková e seus 700 habitantes.

Vídeo mostra suposto caso de possessão coletiva na Jamaica


Histórias sobre possessões demoníacas são sempre angustiantes e francamente assustadoras, com agradecimentos adicionais à abundância de filmes assustadores que retratam os horrores do exorcismo. Portanto, não podemos realmente culpar as pessoas se elas ficarem abaladas quando experimentam e testemunham estas cenas, que foi o que supostamente aconteceu com alunos de uma escola em Porto Elizabeth, Jamaica.

Pelo menos sete estudantes entraram em colapso no início do mês de janeiro no colégio Ginger Hill All Age em Port Elizabeth. Diziam que os estudantes estavam possuídos pelo que eles acreditavam ser demônios e espíritos malignos. De acordo com alguns moradores, os espíritos malignos foram libertados quando algumas sepulturas foram perturbadas após trabalhos de construção recentes na área.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...